terça-feira, 24 de março de 2015

Política na infância

O texto abaixo  caiu-me casualmente às mãos e achei-o bem interessante e atual , visto que acabamos de presenciar  mais uma manifestação neste último 15 de março.
As ruas de  de todo o país foram tomadas por  mais de um milhão de pessoas que protestaram de maneira pacífica contra o governo da  presidente Dilma Rousseff. O movimento tinha como principal motivação o pedido de "impeachment" da presidente, mas muitos também demandavam uma intervenção militar para acabar com mais de 12 anos de liderança esquerda do PT.
 Um texto que nos questiona quanto nossa responsabilidade diante da educação de nossos filhos e a complementação dessa educação pela escola

Texto de Ana Maria de Andrade( escritora e jornalista)

Na história , nosso país tornou- se  palco de escândalos políticos . Corrupção, falsas promessas e roubos. Fomos às ruas reivindicar por políticos melhores e justiça . 

Mas de onde chegam os políticos no poder, se não dos nossos lares e bancos das escolas?
Pequenas mentiras ditas na frente da criança , a busca de favorecimento para os filhos , a permissão que a criança leve para casa o que não é seu, a não devolução do troco que veio por engano na mochila, a alegria dos pais ao perceberem que o juiz não viu a fala e o seu filho fez aquele gol que tanto esperavam...

Pequenas faltas negligenciadas na infância se tornam hábitos naturais que permanecem na vida adulta e chegam aos nossos  plenários .
Maus políticos são o reflexo da educação que oferecemos .

 **************

"Esse 15 de março vai ficar lembrado para sempre como o Dia da Democracia. O dia em que os brasileiros se vestiram de verde e amarelo e foram para as ruas se reencontrar com as suas virtudes, seus valores, seus sonhos.( senador Aécio  Neves)

sábado, 21 de março de 2015

Vamos fazer cup cakes?


 Sabe aqueles bolinhos recheados de chocolate bem decorados e que fazem a alegria da garotada ?
 No Natal , como sobremesa eu encomendei uma receita  a uma jovem doceira daqui . Ficaram uma delícia!  E ficou difícil  controlar o Lucas para não exagerar na dosagem . Era cupcake no café da manhã , após o almoço e assim até o anoitecer  Foi difícil controlar a sua "fome de cup cake".

E agora , da última vez que esteve aqui , já chegou falando nos tais docinhos . Eu, como aquela vovó que não abre mão de satisfazer o desejo dos netos , já havia me preparado para colocar em prática meus dotes culinários . Ah, e que modéstia à parte , são bem primários mesmo !
E lá fomos nós todos para a cozinha "fabricar" aquela gostosura !

forminhas arrumadas...

 Um verdadeiro  auê na cozinha . Sim porque cozinha com criança querendo ajudar vira uma verdadeira confusão. Mas a vovó aqui não se desesperou não. E com a criançada ali, olhos atentos e querendo ajudar , virou tudo uma brincadeira .


agora é só esperar os bolinhos ficarem prontos e colocar os confeitos

 Eu não sou lá muito boa em decoração de doces , mas confesso que me esforcei . Claro não saiu nada igual ao desenho que o Lucas fazia com o dedinho para mostrar que queria a cobertura em espiral.
Ah, que dedinho atrevido ...

Ha, ha ...ha... claro que não ficou nada parecido , mas o sabor do bolinho, ah...isso eu garanti.
E agora, com minha próxima ida até Goiânia , vamos nos divertir muito na cozinha da mamãe às voltas com novos bolinhos.
 A Maria Eduarda está tão ansiosa com minha ida que quando dizem prá ela : "a vovó Dite vai chegar" , ela já responde : BOLO...
Eu "morri" de rir quando minha filha contou  que essa era a lembrança que ela guardou  dos dias passados na casa da vovó.
Crianças , razão de nossa felicidade !



com uma colher é bem melhor ...


terça-feira, 17 de março de 2015

jardineiros da vida



Semeando sempre !


Tem pessoas que gostam de semear. Preparam o terreno com cuidado, revolvem a terra, adubam, regam.

 Depois de todo o preparo da terra é necessário o tempo de espera juntamente com os cuidados diários .

 Não se semeia e esquece a semente lá abandonada , exposta à sua sorte . É preciso estar próximo , é preciso cuidado . 
Algumas plantas exigem mais cuidados , mais adubação , mais regas . Outras são mais independentes . São capazes de buscar nas profundezas do solo os nutrientes necessários para sua sobrevivência . Mas nenhuma dispensa nosso olhar carinhoso , nossa atenção diária .


Esse é o trabalho do jardineiro : uma dedicação extrema a seu ofício . E mesmo com tantos cuidados corre-se o risco de alguma semente se perder ou de um florescer tardio, além da possibilidade de a planta não chegar ao ápice do florescimento.

E assim com a natureza , o jardineiro vai crescendo também em humildade ao reconhecer que nem sempre nossos esforços alcançarão o resultado esperado . Aprende que é preciso ousadia e coragem para recomeçar a cada novo dia . É preciso persistência para que se veja o resultado de seus esforços.

Resultado de imagem para semeando sementes de amor

 Assim , somos nós também os jardineiros da vida . Semear  exige paciência , cuidados e respeito às particularidades de cada um . Muitas vezes semeamos em terreno que parece hostil, mas quando menos esperamos a semente se adapta ao terreno  e começa a florescer.

 É preciso que nos desnudemos da pressa e da vaidade em querer ver logo o “jardim” florido . Cada pessoa tem seu tempo de florescer , cada estágio da vida é único e requer que se respeite o tempo necessário para a colheita.


Cabe a nós tão somente semear e acompanhar o  “ciclo de vida da planta”  oferecendo todo o tempo, nossa atenção e cuidados . Sempre  tendo a humildade de reconhecer que tanto podemos colher belos frutos ou nem mesmo ver o seu florescer .

Mas , com certeza , como nos ensina a Mãe Natureza , vale a pena o esforço . Vale a pena o investimento! Vale a pena semear !

Continuemos disseminando sementes de amor !






sábado, 14 de março de 2015

O estilo KITSCH de ser


Eu confesso que não conhecia essa expressão. Mas pelo que entendi na discussão do tema no programa “Encontro” dessa quarta-feira, kitsch é sinônimo de brega ou cafona . Seria uma releitura de objetos  que foram febre nos anos 80 e que agora retornam com uma nova roupagem.

Adotar o estilo kitsch é usar com criatividade e bom humor aquilo que foi tendência em outra época  de um modo requintado  e original .

O termo kitsch tem origem alemã e já foi usado para classificar diferentes estilos desde o início do seu uso. Antes, a palavra era empregada para descrever elementos decorativos de menor valor estético, ou por serem réplicas de objetos artísticos ou por exagerarem de alguma forma a mensagem original. Era chamado de kitsch tudo aquilo que de alguma forma tentava ser refinado, mas não conseguia, por não ser produzido com os mesmos materiais dos itens de decoração considerados “sofisticados”, tornando-se desta forma mais acessível ao mercado.

 Dizem os entendidos que o estilo kitsch surgiu para suprir as necessidades de consumo da classe ascendente  que queriam usufruir do mesmo poder de compra dos mais  favorecidos mas com  pouca informação sobre as verdadeiras obras de arte.  Uma nova sociedade de consumo que tentava ser refinada , mas  acabava se perdendo em meio a extravagâncias  ou e excesso de informações .

E assim , o que antes se popularizou e acabou esquecido, está de volta e é considerado “chic” se usado com criatividade e bom gosto dentro de sua decoração moderna .
 
 
  Quem não se lembra dos antigos pinguins de

geladeira de outros tempos ? Uma febre dos anos 60 , hoje voltam repaginados e disputados como objetos de decoração das mais modernas cozinhas .



A inesquecível  jarra plástica  de abacaxi, considerada brega ao extremo , hoje repaginada ficou assim.