sábado, 29 de julho de 2017

CONVIVENDO COM OS AVÓS



Não poderia deixar de falar aqui sobre essas maravilhosas pessoinhas que são os avós, que teve sua data comemorativa no dia 26 de Julho .
O dia especial do calendário já passou , mas o afeto entre avós e netos é diário , e por isso nunca é tarde para estar falando sobre essa relação afetiva.

Pessoas especiais que Deus colocou na vida dos netos para que eles sintam um afeto diferente do afeto dos pais . Um afeto meloso , mas também cuidadoso Um afeto alicerçado numa porção de permissividade , mas que não abandona a disciplina . A diferença é que avós estão sempre tentando recuperar o tempo que não tiveram com os filhos , procurando fazer com os netos aquilo que não puderam o privilégio de fazer para os filhos .




Acontece que os tempos mudaram e muitas vovós hoje ainda trabalham e tem que aprender a conciliar o tempo despendido no trabalho com o tempo de lazer e atenção aos pimpolhos .
As avós de nossos dias são ativas e gostam de viajar , conhecer novos lugares , novas culturas . O que acaba muitas vezes impedindo que estejam presentes em algum evento familiar , pois quando se trata de viagem é preciso organização antecipada , o que pode coincidir por exemplo com uma data importante da família . Nada que não possa ser resolvido com uma boa conversa e compreensão de ambos os lados . Daí a gerar conflito , considero uma infantilidade da parte daquele que se sente ofendido , pois os filhos e netos devem lembrar que os “avós também tem vida pessoal " e que esta deve ser respeitada.

É importante que os netos percebam essa relação de respeito entre seus pais e seus avós . Quando isso não acontece , sentem -se divididos , pois amam tanto os pais como os avós , mesmo que de forma diferente e uma crise de ambos os lados entristece-os e os deixa inseguros .




Quer conhecer um lugar onde mora a paciência , onde quase tudo é permitido , onde mora o aconchego e as melhores histórias ?

Quer conhecer as histórias tradicionais da infância ? Vá na casa da vovó . Lá sempre tem “escondidinho" alguns livros de aventuras de seu tempo de criança
Nos dias de hoje poucas histórias infantis do tempo da vovó aparecem no currículo escolar das crianças . Recuperar histórias e brincadeiras infantis do tempo da vovó é muito importante para o resgate da cultura e faz a criança voltar no tempo , um tempo quase inatingível para elas , mas que faz com que compreendam o evoluir das épocas .e tenham uma melhor visão de presente , passado e futuro.

Conviver com os avós é uma experiência rica para ambos os lados . Assim como os avós representam uma ponte entre o presente e o passado , ao conviver com os netos , os avós vão buscar dentro de si um resgate da criança que foi , um resquício da juventude há tanto tempo esquecida . Voltam seu olhar mais atento para sua saúde , porque sua meta é acompanhar o crescimento e evolução dos netos em todos os sentidos.
E muitas , como eu, já vislumbram o primeiro diplominha dos netos, a primeira eucaristia … etc , etc... e quem sabe o ápice de sua formação escolar !


Bem , mas vamos devagar … o que já vivi com eles me deixa feliz e me enche de orgulho . O resto, só o tempo dirá!



segunda-feira, 17 de julho de 2017

Minha casa...Meu cantinho....Meu refúgio





Não sei se você pensa como eu. Mas para mim “dormir na minha cama” é um dos  pequenos prazeres que  a vida me oferece.
No decorrer de minha vida já tive oportunidade de experimentar dormir em várias camas, em passeios esporádicos que fiz.. Mas quando volto....Ah! que delícia é dormir no “meu colchão”, na “minha cama”. Que falta eu  senti  dela!
Depois de 5 dias fora de casa, hoje foi o 1º amanhecer no meu quartona minha cama....Saboreei ao máximo este momento.
O despertar foi tranqüilo! Silencioso. Como é bom o silêncio! Não levantei de imediato. Meu corpo pedia mais repouso, como se quisesse compensar a ausência de dias atrás. Involuntariamente meus olhos se fecharam novamente e eu deixei-me ficar ali.... Curtindo aquele momento só meu.
O som da colher de pedreiro de Seu Osvaldo, atrás da casa, me trouxe de volta à realidade.
O banho foi reconfortante. A água cálida! A espuma perfumada! A esponja macia! A toalha me envolvendo...
Como é bom estar em casa e poder desfrutar desses pequenos prazeres sem me preocupar em incomodar ninguém. Ficar relaxada. Dona de mim. Da minha privacidade. Do meu sossego....
Gosto dos pequenos prazeres que a quietude do meu lar oferece no dia a dia.Poder usufruir do ficar em silêncio, quieta no meu canto apenas pensando, lendo um bom livro ou colocando no papel minhas idéias.
Posso parecer egoísta quando repito sempre “minha casa’, “meu quarto”, “minha cama”, “meu banheiro”....Mas não é no sentido de posse, e sim no sentido de privacidade prazerosa que eles me proporcionam.
Sempre fui assim. Caseira. Gosto muito do “meu cantinho”, mas ultimamente esse sentimento de “apreciar ficar quieta no meu canto” tem se tornado mais arraigado.
Pode ser uma questão de idade. E se for, ótimo. Aprecio ter a idade que tenho.Além de outras vantagens, ela me trouxe a consciência de pequenos prazeres cotidianos que na juventude que  eu não vislumbrava.
Quando jovens procuramos prazeres de forma complicada, muitas vezes inconveniente. Muitos até procuram prazeres escusos. E se perdem.

Eu, felizmente não me perdi ....ainda! Mas agora..... O que eu quero é me afogar, me perder nestes pequenos prazeres do cotidiano....
A beleza de nossa vida está no cotidiano, nas coisas ordinárias
                            Adélia Prado                                                    29/12/2009

http://el.balbo.zip.net/viagem/


poderá também gostar de :
http://kantinhodasmensagens.blogspot.com.br/2017/07/a-vida-e-um-grande-jardim.htmlhttp://kantinhodasmensagens.blogspot.com.br/2017/07/a-vida-e-um-grande-jardim.html

sábado, 15 de julho de 2017

RIVÂNIA : a menina que salva livros


“ A menina que roubava livros” um best seller de Markus Suzak narra a história da pequena orfã, Liesel , durante a Alemanha nazista de Hitler . A paixão de Liesel pelos livros é tão grande que não podendo obtê-los por meios lícitos , rouba-os quando a oportunidade surge .
Faz tempo que li o livro , mas lembro-me do momento emocionante em que Liesel , burla a vigilância de um soldado nazista e rouba um livro chamuscado sobre a pilha ardente de livros que Hitler havia determinado a queima . Havia ido com seu pai adotivo assistir à queima em praça pública e seu coraçãozinho não entendia o porque de tanta destruição , daquilo que ela amava tanto e julgava o caminho para o saber . 

Repreendida carinhosamente por seu pai adotivo ,ao perceber o gesto de Liesel, foi nesse momento que entendeu o terror em que vivia a Alemanha sob o domínio de Hitler e sua cabecinha pode então entender o que acontecia com aqueles que desobedecessem as ordens do Reich, inclusive também pode ir mais além em sua compreensão e deduzir o que havia sido feito com sua mãe , que prometera que voltaria ao deixá-la com a família que a adotou, e nunca mais voltara.

Bem , não vou entrar mais em detalhes sobre esse romance “ A menina que roubava livros" porque não é esse o objetivo de minha postagem . Quis apenas fazer um paralelo com a história que vou narrar abaixo , e que considero ter em comum “ a paixão pelos livros “ ou a paixão pela leitura, cada uma claro, dentro do seu contexto.

Se Liesel , protagonista do livro referido “ roubava livros “ para saciar sua sede de saber , Rivânia é a garotinha de Pernambuco ,que “Salva Livros” para que não se perca a fonte do saber “

Quem é RIVÂNIA ?

Você com certeza já deve conhecê-la , pois segundo os noticiários sua foto “ salvando seus livros da enchente” viralizou na internet .
Eu , confesso que não sabia da história , mas assim que vi ser a mesma contada no último domingo , pela Record , não pude deixar de me emocionar .Aliás , quem viu não pode deixar de se comover .


Rivânia , uma “princesinha de 8 anos” que mora num “pequeno reino encantado “ da várzea do Una . Mas no reino encantado de Rivânia não acontecem mágicas , não tem duendes e nem anões e muito menos carruagens.

  A vida é dura e pobre . A pequena princesa Rivânia mora com a avó Maria e o avô Heraldo numa pequena e pobre casa à beira do Rio UNA no distrito de São José da Coroa Grande, Zona da mata , sul de Pernambuco .

A vida é dura , vivem com dificuldade, mas Rivânia é feliz porque tem o avô e a avõ a quem ama de montão, uma casa simples e tem seus livros escolares da pequena escola que frequenta perto dali .



Mas um dia a felicidade da princesa foi abalada . O Rio Una transbordou devido às fortes chuvas e as águas invadiram as casas não só de Rivânia , mas de outros moradores daquele local.Foi preciso sair correndo , e deixar tudo para trás . O perigo era iminente.


Vovó Maria falou para a netinha que pegasse aquilo que fosse mais importante e corresse para fora . Rivânia não pensou duas vezes : foi logo pegando seus livros e todo seu material de escola , colocando dentro de uma mochila e abraçada à ela , correu rapidamente .
Rivânia , a pobre grande princesinha que na sua cabecinha soube distinguir num momento de urgência aquilo que realmente lhe faria falta , caso perdesse seus livros na enchente .

Rivânia dá-nos uma lição de vida . Todo bem material que possuimos pode ser destruido ou tomado , mas o saber , o conhecimento que adquirimos é algo intocável .Ninguém pode roubá-lo! Faz-me lembrar aquela frase : “Roubam -me a vida , mas não podem roubar a minha essência”

Rivânia , a criança que no seu gesto intuitivo nos faz pensar que ainda vale a pena investir em educação , ainda vale pena ser professor apesar de tantas dificuldades , que ainda podemos acreditar no futuro de jovens como essa nossa princesa Rivânia .

Quisera , pudéssemos multiplicar as Rvânias do nosso País !


Eu fico aqui pensando ,o que faria  se me ocorresse uma situação parecida , Olho para os lados ,  fico a pensar e acabo concluindo que provavelmente pegaria minha bolsa com documentos .Afinal , os documentos é que comprovam minha existência como cidadã . E , a falta deles me impediria uma série de ações , sem falar na burocracia para tê-los de novo. Mas , e o celular ? Também , sem ele nos dias de hoje ficamos perdidos literalmente . Tomara que ele estivesse dentro da bolsa supostamente resgatada !

Feliz é a pequena Rivânia que no seu mundo infantil ,ainda não se apegou a esses pequenos e funcionais objetos .Aliás , nem tinha como! O seu Reino não comporta esses pequenos luxos de tablets , notbooks ou celulares última geração . Apenas a TV , que no momento não foi possível salvar .
Naquele momento teve seu foco voltado apenas para seu futuro . E seu futuro agora depende do conhecimento que adquire nos livros .


Finalizando :

Rivânia ganhou no programa do Faro uma nova casa totalmente mobiliada , com eletro domésticos, utensílios de casa , brinquedos , computador e tudo o mais necessário para uma vida doméstica prática . Só não fiquei sabendo se alguma empresa investiu no futuro estudantil da criança , o que certamente seria um grande prêmio .

Enquanto isso , a vida de Rivânia continua ao lado dos avós que ficaram muito orgulhosos da neta .Seu gesto de "salvar livros " chamou a atenção  até do governador de Pernambuco , que prometeu fazer uma visita na região  e quem sabe "fazer algumas melhorias por lá "

No calor  do momento , as emoções nos fazem "prometer coisas".

Esperamos que não seja esse o caso do governador de Pernambuco.

Boa sorte , Rivânia ! Que seu futuro seja áureo !






terça-feira, 11 de julho de 2017

Mensagens do livro " COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ"


Como havia dito no post anterior  sobre a resenha do livro acima citado ,  vou deixar aqui algumas frases importantes que chamam a atenção do leitor no decorrer da leitura. Não são apenas frases bonitas , mas profundas em questionamento para que possamos refletir sobre a vida e  suas fatalidades. Somos seres humanos vulneráveis , sujeitos a tantos imprevistos e que fogem ao nosso controle .

O que aconteceu com Will, o protagonista da história mostra bem isso . Como costumo dizer , a vida é um estalo . Hoje aqui...amanhã não se sabe ...

Fiz uma coletânea de algumas frases tocantes e que trazem profundo ensinamento


Ouse ser feliz

O medo do novo e do desconhecido pode ser uma grande barreira para aqueles que desejam crescer ou mudar de vida.

Aprenda com os erros
É da natureza dos seres humanos errar. Não devemos passar a vida nos martirizando pelos erros cometidos, mas sim aprender com eles!
Mostre o seu valor e a sua capacidade de evoluir a partir das experiências, sejam elas positivas ou negativas


Louisa Clark é transparente , sensível . Sua maneira demodé de se vestir , seus gestos estabanados não impediram Wiil de enxergar através de sua alma e de seu sorriso luminoso. Uma pessoa gentil , sensível ao sofrimento alheio ,  sem maiores ambições.disposta a se doar pelo bem do outro .

Louisa era o combustível que faltava a Will. Com ela a seu lado , ele tinha um motivo  para viver mais um dia ...

AJUDE A QUEM PRECISA



Permita-se ser ajudado , caso contrário , seu esforço é vão ...





Dizem que só é possível se admirar um jardim depois de certa idade, e acho que existe alguma verdade nisso. Provavelmente tem algo a ver com o grande ciclo da vida. Parece que há algo de miraculoso em ver o inexorável otimismo de um novo broto após a desolação do inverno, uma espécie de alegria na diversidade a cada ano, a forma como a natureza escolhe mostrar diferentes partes do jardim.”


A primavera chegou durante a noite, como se o inverno fosse um hóspede indesejado que de repente resolveu vestir seu casaco e desaparecer sem se despedir. Tudo ficou mais verde, as ruas foram banhadas por um sol fraco, o ar agora perfumado. O dia tinha sinais florais e acolhedores, com trinados primaveris como fundo musical. 







O AMOR É O QUE NOS SALVA

O livro de Jojo Moyes é rico de lindas mensagens . Se você já leu , deixe aqui aquela que mais lhe tocou . Ou então , leia sem hesitação . Realmente você vai se emocionar com a história de Lou e Will


Leia a resenha do livro aqui:

http://kantinhodaedite.blogspot.com.br/2017/07/resenha-do-livro-como-eu-era-antes-de.html

domingo, 9 de julho de 2017

Resenha do livro : COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ


Um livro tão envolvente e que foge de tudo quanto é enredo de livros que li até aqui. Claro , não podia faltar uma história de amor que prendesse o leitor . Mas o que mais me chamou a atenção foi a situação surpreendente e inusitada que levou este amor acontecer . Tudo poderia ter culminado em uma simples desistência de Louisa Clark , a personagem ,ou então uma antipatia pelo seu então coadjuvante,  um “não preciso passar por essas humilhações” para ter um emprego.

E ela até que tentou escapulir , ou melhor, fugir desse emprego que a princípio não lhe acrescentava nada , não a permitia expor sua poucas ou quase nada de habilidades como cuidadora de um tetraplégico. Mas a situação econômica em casa exigia uma renda complementar . 

Ao se ver desempregada de um café onde trabalhava como garçonete , Louisa Clark, 26 anos,não se imaginava fazendo outra coisa . Gostava do café onde trabalhava . Não exigia grandes habilidades , era simpática com os fregueses e todos gostavam dela . Ganhava pouco , mas se conformava com a vidinha pequena,o que mais tarde levou Will , o tetraplégico a visualizar novos horizontes ,estimulando-a a sair daquela mesmice, desvendar novos horizontes , explorar novas possibilidades

Por isso a sua resistência em aceitar o novo emprego que apareceu . Preferia aguardar que um novo emprego semelhante ao outro aparecesse . Algo simples , que não mudasse muito a sua rotina. Interiormente , Louisa deixa perceber seu ressentimento em ser quase o esteio da casa onde morava com a mãe e o pai desempregado , a irmã mais nova com um filho de 5 anos e o avô também já velho e doente , com sequelas graves de esclerose.

A entrevista de Lou com a juiza Camila Traynor, mãe de Will , foi desastrosa, e cômica tal como é descrita pela autora . Louisa é estabanada , tem gostos de moda duvidosos e já na primeira entrevista se vê numa situação embaraçosa e hilária . Mas o que Louisa não sabia era que justamente por sua falta de experiência seria contratada . A família estava em suspense diante da decisao trágica que Will havia tomado , cujo prazo espiraria dentro dos próximos seis meses.

O primeiro encontro com Will foi horrível . Ele, um jovem de 32 anos era mal humorado , sarcástico e amargurado . Atitude típica de um jovem rico, viajado, inteligente , próspero nos negócios , adepto de esportes radicais e que há dois anos tivera sua vida praticamente ceifada por conta de um atropelamento de moto . 

O trecho em que casualmente ele fala sobre isso é doloroso de “ouvir”. Para Lou, uma fatalidade irreversível que toca também o coração do leitor . Para Will , o fim dos sonhos , o desejo que o dia não amanhecesse nunca!
Ao observar umas fotos de Will num painel à sua frente , onde mostrava Will praticando esportes radicais ,ele observa seu olhar indagador e nostalgiamente lhe diz que não foi "assim" seu acidente . Mas , que fora vítima de um acidente de moto onde “ele não era o motorista”e sim o pedestre . Uma fatalidade que o excluiu praticamente do mundo dos vivos , assim ele pensava .

E era esse o objetivo de Camila Traynor ao contratar Lou : que ela o trouxesse de volta ao mundo dos vivos . Que ela o fizesse ver que a vida apesar de ter sido cruel com ele , ainda poderia lhe proporcionar alguns prazeres,que ele encontraria novamente uma razão para viver e que valia a pena estar vivo ... .

A princípio , Lou detestou Will. Ele é rude e grosseiro , e fazia de tudo para tornar a sua vida bem mais difícil a seu lado, apesar de tentar sempre se mostrar prestativa . .Houve momentos em que Lou pensou em desistir . Sua primeira vitória foi ter convencido Will a cortar o cabelo e fazer a barba, já de alguns meses. 

A barba o cabelo grande demais era o disfarce que ele usava como numa rebeldia e atrás dos quais ele procurava se esconder e denotava todo seu desdem pela vida e tudo mais ao seu redor. Com sua meiguiçe e sua perspicácia respondendo com humor às tiradas sarcásticas de Will ,ela fez sua barba e cabelo com maestria de uma verdadeira profissional , deixando-o satisfeito e feliz pelo menos naquele momento .

Aos poucos um vai entrando na vida do outro . Will começa ver nos gestos carinhosos de Louisa algo grande sem interesse , algo que é natural nela . Ela é bem diferente de outras pessoas com quem conviveu, inclusive de sua ex-noiva que um belo dia aparece para anunciar seu noivado com seu melhor amigo . Will finge ter aceitado com naturalidade , mas percebe-se pela descrição da autora , sua decepção com pessoas que deveriam estar a seu lado e agora o traiam cinicamente.

Aos poucos ambos vão se conhecendo melhor . Will admirando aquela pequena pela sua simplicidade e autenticidade e Lou empenhada em lhe mostrar um outro lado da vida . Lou é divertida e Will se diverte com a simplicidade dela . Seus modos simples , seus parcos conhecimentos , seus gostos duvidosos ao se vestir acabam por atraí-lo

Ela consegue fazê-lo voltar a sorrir , a rir de coisas bobas e banais , tanto que em certo momento ele lhe diz :”Você é a unica coisa boa que me faz querer levantar da cama todos os dias” . Os dois se completam : Lou lhe mostra as coisas simples da vida e Will lhe fala das possibilidades que ela tem de crescer mais em conhecimento , cultura , podendo ir muito mais além do pequeno mundo em que vive.

E a trama continua envolvente , que o leitor não gostaria de interromper sua leitura antes de chegar ao clímax “ e viveram felizes para sempre “. Foi aí que me enganei , e acredito que muitos leitores também. Há relatos de muitos que disseram se debulhar em lágrimas ao perceber para onde se dirigia o final do romance .
Eu , confesso , não chorei externamente . Mas meu coração ficou apertadinho à medida que suspeitava que realmente iria acontecer aquilo que eu também não queria acreditar. .

Mas tive que compreender Will! Tive que compreender Lou ! Assim como seus pais também tiveram que compreendê-lo e aceitar sua decisão final. . Um amor assim , só se vive uma vez ,o que fica é a saudade e as boas lembranças de algo que jamais se repetirá …

Um amor que ensina...um amor que doa … um amor que renuncia …

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Bem ,espero ter despertado o interesse do leitor , com essa resenha . Já faz uns dois meses que li o livro , mas sentia-me sem condições emocionais de fazer a resenha . Já havia feito vários ensaios , sem conseguir palavras que expressassem o que realmente vai no livro , um misto de romance ,humor , e drama . Mas , muito envolvente . Tenho certeza que pelo menos despertei sua curiosidade . O filme já foi lançado. Vi algumas cenas em vídeo no Yotube e fiquei curiosíssima em assistí-lo . Mas , recomendo que leiam primeiro o livro , as cenas são mais detalhadas e algumas cenas que considero importante podem sido excluídas do filme , como sempre acontece.

No próximo post vou publicar algumas frases importantes que trazem belas mensagens do livro :

COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ!




terça-feira, 4 de julho de 2017

A desagradável chegada do inverno rigoroso



Bem , parece que o frio chegou para ficar . Manhãs geladérrimas que nos deixam com aquela preguicinha de levantar . Mas com frio ou sem frio , a vida tem que continuar ! Mas , se podemos, se temos liberdade de escolha, lá ficamos nós a postergar a hora de levantar . E , tudo se atrasa no nosso cotidiano . Ficamos mais lentos , mais preguiçosos e muitos, até mais “ gordos" se não souberem controlar a vontade exagerada de saborear caldos e chocolates quentes . Um horror . Parece que estamos sempre com fome ! 

É a mudança de nosso metabolismo que precisa compensar a perda de energia para manter a temperatura do corpo e então passa a exigir mais calorias . E é aí que mora o perigo , principalmente porque nessa época de frio intenso alteramos até a nossa rotina de exercícios . As academias esvaziam e quando chega o verão lá estão todos tentando reverter o prejuízo.

Eu tenho tentado me manter fiel à minha rotina diária de exercícios físicos diários , mas confesso que não está fácil não . É preciso muita coragem para enfrentar pela manhã o vento gelado lá fora . Hoje a friagem estava terrível , acrescentado do vento gelado que soprava do leste . Até o motor do carro protestou , e só a muito custo deu sinal de vida .

Dizem que no inverno as mulheres ficam mais bonitas Realmente , são tantos os acessórios de inverno que usam , que só tem a acrescentar . Mas nem sempre é assim,
No inverno eu quero mais é um cobertor quente e bem cedo ir prá cama . Sem falar no efeito cebola de sobreposições de meias , blusas e casacos . Onde está a beleza , nisso tudo ? Bom ,mas isto é outro assunto , porque beleza é prá quem tem e não prá quem quer.

Agora ,neste exato momento, um pouco passando das 5 horas da tarde , o sol , nosso grande astro rei, já está a pino . E a tarde vai esfriando mais e mais . E o que eu mais queria diante dessa visita inconveniente e desagradável do frio , era tomar uma sopa quente , depois do banho e ir direto prá frente da televisão , debaixo do cobertor , claro.

Mas , como eu já disse , com frio ou sem frio a vida tem que continuar . E eu tenho uma reunião importante hoje à noitinha . Fazer o quê , não é ? É se armar de coragem,colocar um bom agasalho e enfrentar a noite fria .

Felizmente tenho um teto prá me acolher quando voltar e uma cama quentinha me esperando , o que ficará melhor ainda acrescentado de um cappuccino bem quentinho !

E quantos não tem nada disso ? Quantos estão ao relento? Quantos sucumbem ao frio da madrugada ?
Penso muito nessa gente , na tragédia social que vivem !Procuro ajudar no que está ao meu alcance, mas muito não consigo fazer. Então  eu oro a Deus por eles !



Quando esgotam-se nossas possibilidades de ajuda ao próximo , é confiar que “ Deus dá o frio conforme o cobertor !”